Esaú e Jacó

Machado de Assis

You are here: Home - Uncategorized - Esaú e Jacó


Esaú e Jacó

Esa e Jac Atrav s da hist ria de permanente rivalidade e disc rdia entre os g meos Pedro e Paulo Machado faz uma an lise profunda da alma humana Mostra ainda com seu agu ado esp rito cr tico a transi o do Im

  • Title: Esaú e Jacó
  • Author: Machado de Assis
  • ISBN: null
  • Page: 297
  • Format: Paperback
  • Atrav s da hist ria de permanente rivalidade e disc rdia entre os g meos Pedro e Paulo, Machado faz uma an lise profunda da alma humana Mostra ainda, com seu agu ado esp rito cr tico, a transi o do Imp rio para a Rep blica.

    • Free Read [Classics Book] ↠ Esaú e Jacó - by Machado de Assis é
      297 Machado de Assis
    • thumbnail Title: Free Read [Classics Book] ↠ Esaú e Jacó - by Machado de Assis é
      Posted by:Machado de Assis
      Published :2019-01-10T01:08:12+00:00

    One thought on “Esaú e Jacó

    1. Joselito Honestly and Brilliantly on said:

      Because this has one whole chapter with my favorite game as the centerpiece, and because it has moments which has made me chuckle, I have decided to more than like this book.I read this like I was analyzing a chess game. This last (1904) of Joaquim Maria Machado de Assis's four great novels (1880, The Posthumous Memoirs of Bras Cubas aka The Epitaph of a Small Winner; 1891, Quincas Borba; 1899, Dom Casmurro). After this, only Quincas Borba remains in my to-read list. But Dom Casmurro, I suspect, [...]

    2. Arthur Gonçalves on said:

      A literatura de Machado de Assis trata de sujeitos que insistem no erro de serem sempre iguais a si mesmos: eles não mudam, ou mudam muito pouco. A personalidade do homem burguês é irremediável e, por isso, ele é, de saída, um "cadáver adiado que procria". Em "Esaú e Jacó", o que surpreende não é a diferença que existe entre os gêmeos Pedro e Paulo, mas sim a sua profunda semelhança: Flora morre confrontada com a escolha entre os dois porque não há escolha. Mais uma vez, o tempo [...]

    3. Dallisonam on said:

      This is probably the best book you've never heard of. The writing style is amazing, but also the story itself is spectacularly crafted. The style is extremely witty and engaging in itself, but also a funny parody of the author's contemporaries. An example:"Faithful reader, you will guess that both went to the cemetery. You will not have guessed, nor should it be an obvious conclusion, that each carried a wreath of flowers. I do not say they were the same flowers, not only to respect the truth, b [...]

    4. Bob Newman on said:

      "Selling my birthright for a mess of pottage In the Book of Genesis, Isaac and Rebekah have two sons, one hairy and red, the other smooth. These are Esau and Jacob, who struggled with each other even in the womb of their mother. Genesis Chapter 25, verse 23, "And the Lord said unto her, Two nations are in thy womb and two manner of people shall be separated from thy bowels; and the one people shall be stronger than the other people; and the elder shall serve the younger." Later, Esau, the hunter [...]

    5. Fabiana Freitas on said:

      Well, it's a Machado, so it's not even bad or unworthy reading, but it's not a highlight, although it points some aspects of the author that I didn't notice in previous books.It's a bit slow, with only one big plot (will Flora ever decide on any of the twins?) and that might be a big deal for some - it wasn't for me as I'm a huge Machado fan (maybe he's my favorite writer? Not 100% sure, but one of the three favorites indeed, besides Saramago and Clarice Lispector).So, if you want another approa [...]

    6. Dottie on said:

      I thoroughly enjoyed this follow-up to The Hand and the Glove by the same author. This one is a tale of twins and the woman who loves both of them and whom they each love. Not a modern story with those elements -- but still suspenseful, beautifully told, humorous and there is Brazilian history thrown in as well. I'm moving to the last published novel of Machado De Assis which is told as the journal of one of the main characters who figured in Esau and Jacob.

    7. Hilton Neves on said:

      Machado is always Machado de Assis. You just can't miss it. It describes Rio's architecture and habits in the late Nineteenth Century in a delectable way and shows a good plot too.

    8. Crysdian Janke on said:

      Neste livro, Machado descreve dois gêmeos predestinados ao conflito que são amados pela mesma mulher. Os elementos do destino inevitável, tão comuns nos mitos gregos, são somados ao olhar agudo do Machado. Ele explora a vaidade humana sob diversos aspectos: querer posses apenas para mostrá-la aos outros, buscar o amor de uma mulher apenas para vencer o adversário, buscar a perfeição impossível na pessoa amada etc. O mito de Narciso é elemento recorrente na obra que entrecruza diversas [...]

    9. André on said:

      Meu primeiro Machado de Assis.Gostei muito de como ele escreve, e o tema é interessante apesar da falta de alguma coisa? Eu demorava muito a voltar a ler este livro por falta de interesse no enredo, mas quando voltava era delicioso entrar de novo pela escrita (se bem que a falta de movimento me frustrava bastante).Olha, podem me apedrejar, mas como uma mulher em um vídeo sobre Esaú & Jacó fala: este livro é um picolé de chuchu (e aqui eu completo: refrescante, mas sem sabor).

    10. Miguel on said:

      Esaú e Jacó é, como o nome bíblico indica, a história de dois gémeos, absolutamente idênticos e profundamente rivais em tudo, e da sua mãe. Uma das personagens principais do livro é o Conselheiro Aires, que está sempre a escrever no seu memorial, que constituirá o tema do romance seguinte, e último, de Machado de Assis. As marcas de génio de Assis estão todas presentes neste romance, a começar pela criatividade narrativa (o narrador de Assis é único!), passando pelo humor e iron [...]

    11. Felipe Pontes on said:

      "A ocasião faz o furto, o ladrão nasce feito!"Com essa frase explica-se parte da essência do livro, os personagens imutáveis, a briga constante dos irmãos gêmeos, a competição eterna Apesar de não ser a melhor obra que já li de Machado de Assis, não posso negar que é uma obra muito bem feita, no ápice do seu realismo (escrita 4 anos antes de sua morte).

    12. Claudio on said:

      Irmãos gêmeos e rivais em tudo, um conservador o outro liberal, no Brasil da abolição da escravatura, do golpe da República, da ditadura de Floriano Peixoto. Divertido e agudo retrato do país ao sair do século XIX e entrar no XX.

    13. Fabiano Lourenco on said:

      Não constituindo exatamente uma obra prima, o romance “Esaú e Jacó” ainda assim apresenta todas as características típicas da prosa de Machado de Assis: os capítulos curtos, quase aforísticos, os personagens bem delineados (e recorrentes, como o Conselheiro Aires, de Memorial de Aires), os diálogos econômicos mas significativos para o desenrolar da história, a ironia aguda, voltaireana, o pessimismo que encontra paliativo no humor adequadamente inserido aqui e ali. Sobretudo, o liv [...]

    14. Guilherme on said:

      Como escreve Hélio Guimarães na introdução desta edição, Machado de Assis teria (?) planejado que este seria seu derradeiro romance, e, deste modo, parece que sua técnica de elevar ao máximo o procedimento narrativo diminuindo o valor do enredo em si está no ápice, talvez mais do que nas "Memórias". A história narrada em "Esaú e Jacó" é das mais intrigantes, já que, ao terminar o livro, a impressão que fica é de um romance em que nada foi contado: a história dos gêmeos Pedro [...]

    15. Carolina de Goes on said:

      Meu primeiro Machado. Achando mega chato.SPOILER ALERTSofrendo HORRORES pra terminar isso aqui. Update: Alguém em um boteco me falou que este livro é incrivelmente sarcástico para com a "sociedade" da época - justamente o que eu estava achando um porre, aquela novelinha "Pedro-Paulo-Flora-mimimi-perfeitinhos arianos-coroas fofos apoiando os mimadinhos-o povo e acontecimentos políticos históricos que se fodam" tava me matando. Aí me falaram do sarcasmo, me deu um gas especial pra terminar [...]

    16. Ana Paula on said:

      Machado sendo Machado <3, falando comigo:"Eis aqui entra uma reflexão da leitora: "Mas se duas velhas gravuras os levam a murro e sangue, contentar-se-ão eles com a sua esposa? Não quererão a mesma e única múlher?" ()Francamente, eu não gosto de gente que venha adivinhando e compondo um livro que está sendo escrito com método. A insistência da leitora em falar de uma só mulher chega a ser impertinente. Suponha que eles deveras gostem de uma só pessoa; não parecerá que eu conto o [...]

    17. Ed Siqueira on said:

      As disputas entre os gêmeos Pedro e Paulo iniciam pessoais e logo se tornam políticas, como as disputas de um mesmo povo que ora se percebe conservador, ora progressista.O talento de Machado evita que se tome uns e outros por certos ou errados, resultando a sobriedade diplomática do conselheiro Aires, que não discorda por acaso e nem descrê dos motivos e destinos das correntes contrárias.O livro funciona também como demonstração dos ânimos com que parte da sociedade brasileira se despe [...]

    18. Mauro on said:

      É um crime que nos façam ler Machado na adolescência, sem nos alertarem para a análise fina do espírito humano e para a sutil ironia que há em cada parágrafo. Este, Memorial de Aires e Memórias Póstumas têm o melhor dessas duas coisas; devem ser lidos de quando em quando. E é uma pena constatar que, há pouco mais de um século, no Brasil, lia-se Machado no jornal, como entretenimento - hoje, quem lê jornal, é obrigado a engolir as agressividades grosseiras de gente que só pensa em [...]

    19. Ana Beatriz on said:

      Esaú e Jacó apresenta um Machado de Assis tão irônico quanto em Brás Cubas,porém mais contido,o que o faz perder parte de seu charme,na minha opinião.A ele falta a vitalidade encontrada em Brás Cubas e as personagens intrigantes de Dom Casmurro.Flora não chega aos pés de uma Sofia,Virgília ou Capitu. Ela lembra as heroínas dos romances iniciais de Machado,sem muita atitude,sem muita profundidade. Sua personagem existe em função de Pedro e Paulo apenas. Pouco sabemos dos seus pensam [...]

    20. Bruno Romano on said:

      "Esaú e Jacó" não me parece comparável aos dois maiores romances de Machado, "Brás Cubas" e "Quincas Borba". É um livro mais narrativo e bem mais fácil que ler do que esses dois, mas falta as profundezas psicológicas e introspectivas que se encontra neles. Ao final, o leitor fica com a sensação de incompletude e de ter acompanhado uma história que não terminou.As referências à Cidade do Rio de Janeiro e ao Brasil Imperial são bastante interessantes, e há momentos bastante cômico [...]

    21. Luana Fortes Miranda on said:

      A história dos dois irmãos, gêmeos na aparência mas opostos nas ideias, é objeto central da narração de humor comparável a Memórias Póstumas. A previsibilidade de um romance de banca é anteposta (e zombada) pelo narrador, ironia que é também feita recurso de crítica à sociedade - não aquém da elegância de Aires, embora mais disposta ao debate.

    22. Gláucia Renata on said:

      Pedro e Paulo, gêmeos idênticos, personalidades opostas e uma única paixão: Flora. A moça não consegue se decidir entre os dois e é interessante observar a evolução da loucura dessa personagem, atormentada pela necessidade de escolher. Dos romances menos conhecidos do autor mas nem por isso inferior.

    23. Ligia on said:

      D. Casmurro e Memórias Póstumas de Brás Cubas são bem melhores que esse livro. Mas vale a leitura porque, como nos outros dois livros, a forma de narrar é fora do comum e demanda muita atenção para que a gente perceba o que aconteceu realmente. E é cheio de frases boas para anotar e citar depois. Uma das minhas preferidas: "A ocasião faz o furto; o ladrão já nasce feito".

    24. thaise on said:

      o livro só torna-se interessante no momento que é contextualizado com a situação do brasil no final do século XIX. gostei do jeito em que a flora foi simbolizada como o povo e mostrou a penosa dúvida que a sociedade tinha entre a monarquia e a república.

    25. Andre Piucci on said:

      "Porque há estados da alma em que a matéria da narração é nada, o gosto de a fazer e de a ouvir é queé tudo."

    26. Fabio Mello on said:

      Excelente obra! Impressionante os lugares e situacoes apresentadas com riqueza de detalhes que lhe fazem viajar no tempo e nas ideias. Genial!

    Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *